quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Então é Natal


Na bela voz da Simone e tradução da canção criada por John Lennon que era um amante da paz, nossos votos de Bom Natal e muitas felicidades e realizações em 2010 e sempre, a você e todos os seus entes queridos.
Um grande abraço
Ronaldo São Romão Sanches

Espaço Chico Xavier - Agenda do dia 26/12/2009


domingo, 13 de dezembro de 2009

A Federação Espírita Brasileira lançou o Índice da Revista Espírita

A FEB lançou o Índice da Revista Espírita, um portal alfanumérico que dá acesso ao mundo de informações codificadas por Allan Kardec. São 4.000 entradas principais e 13.500 detalhamentos compilados dos 12 volumes (144 números) da Revista Espírita, veiculadas no período de 1858 a 1869.
Veja mais detalhes da apresentação do índice e como utilizar, acesse aqui.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Assista neste domingo, dia 6/12 - horário 19:00 (hora do MS) na TV CEI no canal 1, o Seminário: Espírito e Ciência. Imperdível!

As questões da alma estão ao alcance da Ciência?
Descobertas fundamentais do campo científico e referências a pesquisadores renomados que estudam as relações da Ciência e da Espiritualidade na atualidade são objetos de análise do médium e orador espírita José Raul Teixeira.
link para a TV CEI.


quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Almoço Promocional em prol da construção do Lar de Ruy Kremer, dia 06/12/09 - domingo

A Cruzada dos Militares Espíritas convida para Almoço Promocional em prol da construção do Lar de Ruy Kremer.
Data: 06/12/2009 - domingo - 12 horas
Local: Rua Jaborandi, 80 - Jardim Aeroporto
Cardápio: Churrasco com carne bovina, suína, frango e ovelha - arroz - vinagrete - mandioca - salada tropical e farofa ecológica.
Investimento: R$13,00 (isento criança até 7 anos)
Não serão servidos marmitex e marmita
Mais informações com o Lobo, fones: 3361-1055 ou 8113-3866, e-mail: manocristao@ig.com.br
Levar prato e talher
Veja abaixo a localização do Lar de Ruy Kremer “onde educar é assistir, amar e evangelizar”.

Visualizar Lar de Ruy Kremer em um mapa maior

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Entrevista com a Dra. Marlene Nobre, por ocasião de sua visita a Fortaleza-CE, para proferir palestra na IV Semana Chico Xavier, em março deste ano.

A entrevista exclusiva, foi publicada pelo jornal Diário do Nordeste, de Fortaleza-CE, edição do dia 29/03/2009.
Marlene Nobre fala da convivência com Chico, os rumos do espiritismo, aborto e outros assuntos, em entrevista exclusiva, onde ressalta que as doenças, em sua esmagadora maioria, estão relacionadas às imperfeições da alma e à lei do carma.
Marlene Nobre é médica ginecologista aposentada, especialista em prevenção do câncer uterino. Viúva do político, advogado e professor universitário Freitas Nobre (cearense), ela trabalhou com Chico Xavier nas seções públicas da Comunhão Espírita Cristã, em Uberaba, Minas Gerais, entre os anos de 1959 e 1962. Preside também a Associação Médico-Espírita do Brasil e a Associação Médico-Espírita Internacional, é editora responsável pelo jornal Folha Espírita e diretora da Creche Lar do Alvorecer. Além disso, escreveu diversos livros, dentre eles “Lições de Sabedoria - entrevistas do médium Chico Xavier”. Marlene Nobre estará em Fortaleza na próxima quinta-feira proferindo uma palestra no auditório da FIC (Água Fria), às 19h, por ocasião da IV Semana Chico Xavier.

Qual a abordagem central de sua palestra “Além desta vida”, que será ministrada na Semana Chico Xavier?
Vou me referir, inicialmente, aos casos de pessoas que passaram pela Experiência de Quase Morte (EQM), ou seja, que estiveram clinicamente mortas e voltaram à vida com o auxílio de aparelhos especiais, relatando tudo o que viram e sentiram durante esse período em que estiveram no limiar da morte. São milhares de pessoas que descreveram aos pesquisadores, em geral médicos e psicólogos, a existência de um corpo mais leve, com o qual se apresentavam em uma outra dimensão, para onde foram, atravessando túneis, e onde puderam encontrar familiares, amigos e mestres de luz, guardando lembrança nítida de tudo quanto viram. Depois de falar sobre essas pesquisas e o que as pessoas viram no limiar da morte, faço a ligação com uma outra pesquisa, feita pela Associação Médico-Espírita de S. Paulo com as mensagens recebidas por Chico Xavier e que foi publicada no livro - A Vida Triunfa - de autoria do meu irmão Paulo Rossi Severino. Ampliei o estudo dessas 45 iniciais para mais de 500 mensagens recebidas por Chico Xavier aos familiares, nas quais os comunicantes não só falam a mesma coisa que os ressuscitados da morte na EQM, como ampliam muito mais a visão da vida no além. De acordo com as descrições deles, falo sobre a travessia deste mundo para outro, as doenças e tratamentos médicos no além, as escolas e atividades, bem como sobre as repercussões espirituais entre encarnados e desencarnados. É de uma riqueza incalculável o legado que Chico Xavier nos deixou. E ao final, uma só certeza: ninguém morre.

Quando começou seu envolvimento com a doutrina espírita?
Sou espírita desde o berço. Aos 11 anos, fiz um pequeno discurso representando a mocidade espírita de S. José do Rio Preto. Mais tarde, quando cursei medicina em Uberaba, envolvi-me mais diretamente com os trabalhos do movimento espírita.

Como ocorreu a aproximação com Chico Xavier?
Em outubro de 1958, às vésperas de mudar-se para Uberaba, o que ocorreu em janeiro de 1959, Chico Xavier esteve em Uberaba e pediu ao Waldo Vieira, meu colega de faculdade, que me levasse até ele, porque precisava conversar comigo. Durante a entrevista, como não o conhecia, apenas havia lido suas obras, fiquei muito admirada com o convite que me fez: o de trabalhar com ele nas sessões públicas da Comunhão Espírita Cristã, a partir de janeiro, quando ele já estaria instalado definitivamente em Uberaba. E foi o que aconteceu. Durante cerca de quatro anos, de janeiro de 1959 a dezembro de 1962, trabalhei com ele, dando minha pequena parcela de contribuição na interpretação dos textos de O Livro dos Espíritos e de O Evangelho Segundo o Espiritismo, obras que eram estudadas nos dias de sessão pública. Mesmo mudando-me para S.Paulo, em 1963, nossa amizade permaneceu sempre a mesma, até a sua desencarnação, em 2002. E perdurará, tenho certeza, pela eternidade, porque somos imortais.

Que trabalhos vocês desenvolveram juntos?
Fazia os comentários sobre as lições da noite, enquanto Chico e Waldo psicografavam receitas e mensagens dos Mentores Espirituais; por minha vez, também recebia mensagens psicográficas nessas reuniões, a convite do Chico. Tínhamos juntos ainda a distribuição de gêneros alimentícios aos mais carentes da periferia de Uberaba aos sábados. Participei também do programa radiofônico - Ondas de Luz, que fazia parte das atividades da Comunhão àquela época.

Há algum fato que tenha lhe marcado durante o tempo de convivência com ele?
Fui profundamente marcada por sua bondade, por sua humildade genuína. Por isso mesmo, reconheço a enorme distância que nos separa do ponto de vista espiritual e a grande responsabilidade que assumi por ter trabalhado com ele e tomado conhecimento de sua obra.

Você chegou a receber mensagens psicografadas dele?
Psicografadas não, mas me deu vários recados de grande precisão através da vidência.

De que forma a doutrina espírita pode ajudar no exercício da medicina?
A contribuição do Espiritismo à medicina é enorme. Primeiramente, ele muda a visão do mundo e do ser humano. Quando o médico espírita examina o paciente, sabe que tem diante de si uma alma imortal que está transitando, por alguns anos na Terra, envergando um corpo físico e envoltórios espirituais, que vem sendo construídos ao longo de bilhões de anos e que adoecem segundo a lei de ação e reação. O médico sabe, portanto, que as doenças, em sua esmagadora maioria, estão relacionadas às imperfeições da alma e à lei do carma. E, principalmente, está consciente de que tem nos seus pacientes irmãos em humanidade aos quais compete servir, segundo os sentimentos de fraternidade exemplificados pelo Médico dos Médicos - nosso Mestre Jesus.

O que diferencia o “médico espírita” de um que não segue a doutrina?
O Espiritismo dá uma visão integral do ser humano: Alma-mente-corpo e estimula o exercício da solidariedade entre todas as criaturas humanas. O que deveria diferenciar o médico espírita em relação aos seus colegas seria o exercício da humildade e da caridade, o compromisso de estudar e aprimorar-se sempre, sem colocar-se como superior a quem quer que seja. Sabemos, no entanto, que existem médicos sem religião, que são seres humanos maravilhosos e que nos dão grande exemplo de solidariedade humana.

Você é presidente da Associação Médico-Espírita do Brasil (AME) e da Associação Médico-Espírita Internacional. Quais os objetivos dessas duas entidades?
A Associação Médico-Espírita do Brasil foi fundada em 1995 e hoje congrega 33 Associações e tem mais 10 núcleos em vias de formação. Resumidamente, podemos dizer que ela tem por finalidade levar a alma à Medicina em seu duplo sentido: levar as pesquisas científicas, as investigações, e os estudos que demonstrem a presença da alma no comando do corpo físico e a alma no sentido de calor humano, bondade, solidariedade. A AME é uma das instituições que visa fortalecer o aspecto científico da Doutrina Espírita. Mas, sobretudo, tem uma preocupação ética. Com o avanço tecnológico das ciências da vida, tem de estar atenta aos aspectos bioéticos que envolvem a aplicação prática desses novos conhecimentos. A Associação Médico-Espírita Internacional foi fundada em 1999 e tem os mesmos objetivos.

No trabalho como escritora, você escreveu “Lições de Sabedoria - entrevistas do médium Chico Xavier”. Quais as temáticas presentes nas entrevistas?
O livro “Lições de Sabedoria” conta as entrevistas dadas por Chico Xavier ao jornal Folha Espírita, durante 23 anos. Dividi-as por assuntos de modo que é um livro de consulta no qual se tem a opinião do querido médium sobre os mais diferentes temas: amor ao próximo, imortalidade da alma, reencarnação, drogas, fumo e malefícios para corpo e alma, aborto, vida familiar, missão do Brasil, etc.

Uma outra temática abordada por você nos livros foi o aborto. A legislação brasileira permite essa prática em alguns casos, como o da menina de 9 anos estuprada pelo padrasto em Pernambuco. Você concorda com a legislação referente ao assunto?
A miséria moral está profundamente vinculada à miséria espiritual e ambas devem ser combatidas com a instrução e a educação mais abrangente, dirigida ao ser humano integral, corpo-espírito. Nós sabemos que nos povos mais desenvolvidos o estupro também está presente, mas é muito maior em países como o nosso, onde a educação é relegada a um plano secundário. Por falta de educação geral e irrestrita do nosso povo, a miséria moral está profundamente agravada, como temos visto nos casos de estupro e pedofilia. Para os Espíritos Superiores, o aborto só é cabível em uma situação: quando a vida da gestante está em perigo de morte iminente. Isto porque a intenção não é matar o feto, mas salvar a vida da mãe. Por exemplo, a gestante sofreu um acidente ou foi atingida por um projétil e tem hemorragia grave, o que se tem de fazer é salvá-la, estancando a perda de sangue. Se o feto vier a falecer, a intenção não foi essa. Creio que só poderíamos opinar no caso da menina em foco se conhecêssemos em detalhes a situação clínica da gravidez. A internação e o acompanhamento da gestação por mais tempo nos permitiria opinar com segurança.

Qual a sua opinião acerca do aborto em crianças anencéfalas?
Sou absolutamente contra. O anencéfalo, ao contrário do que o nome diz, possui uma estrutura cerebral em funcionamento - o tronco encefálico - a parte mais primitiva do encéfalo. Por isso mesmo, ele respira, tem batimentos cardíacos, tem metabolismo basal. O anencéfalo é um organismo humano vivo. Se não o fosse não conseguiria formar órgãos e não teria todas as funções mencionadas. Ele deve viver o tempo que lhe foi programado. A Associação Médico-Espírita do Brasil está lançando um livro: A Vida dos Anencéfalos, aspectos científicos, jurídicos e espirituais, onde deixaremos muito clara esta questão.

Há uma suposta omissão dos espíritas sobre a questão do aborto?
Creio que a Federação Espírita Brasileira (FEB), a Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas (ABRAME), a Associação Jurídico-Espírita de S.Paulo e do Rio Grande do Sul (AJE), e, naturalmente, a AME-Brasil, da qual sou presidente, têm se manifestado de forma contundente contra a legalização do aborto no país. Inclusive, eu não poderia deixar de lembrar um acontecimento histórico, os presidentes da FEB, Nestor Masotti, da ABRAME, Zalmino Zimmerman, e da AME-Brasil, visitaram parlamentares e autoridades em Brasília, entre estas o presidente do Supremo Tribunal de Justiça e o Procurador Geral da República, em junho de 2005, distribuindo manifestos contra o aborto, preparados por juristas e médicos, desencadeando com isso um movimento que resultaria na criação da Frente Parlamentar em Defesa da Vida contra o aborto, em agosto de 2005, na Câmara Federal. Na mesma ocasião da visita ao Parlamento e às autoridades, foram enviados mais de 20 mil desses manifestos, redigidos pela ABRAME e pela AME, a todos os juízes do Brasil, em trabalho exaustivo de correio, realizado e subsidiado pela FEB. Embora essas entidades estejam vigilantes e sejam partícipes, sentimos falta, é verdade, de um maior empenho das entidades espíritas, como um todo, em mostrar essa posição contrária, em tomar parte mais ativamente nos movimentos ecumênicos e suprapartidários que se desdobram em todo o país.

Quais as conseqüências espirituais do aborto para a mulher que o realiza? E para a sociedade, quais os efeitos?
As conseqüências psicofísicas e espirituais podem ocorrer na mesma existência em que o aborto foi praticado, tais como o transtorno mental depressivo, a obsessão e os distúrbios diversos do sistema reprodutor feminino. Há também as mesmas conseqüências em existência posterior, sendo as mais freqüentes, os diversos graus de infertilidade, os distúrbios do sistema reprodutor e muitos problemas gestacionais. A sociedade sofre os efeitos da pena de morte que pratica contra inocentes, que não tem como se defender, gerando mais violência sobre si mesma. Muitos desastres morais graves tem aí sua origem.

Certa vez, Chico Xavier teria dito que se o aborto fosse aprovado legalmente no Brasil, o país entraria em um ciclo de guerras. Qual sua opinião sobre isso?

Ele disse isso a mim, diretamente, e estou certa de que isto poderá mesmo ocorrer. Como já me referi o país que pratica esse tipo de violência não consegue sair da cadeia de ódio que gerou para si mesmo. Vivemos em uma grande rede - a teia da vida - o que se faz em um dado ponto desta imensa malha, faz-se a todo o conjunto, com natural repercussão sobre os responsáveis pela ação. Nossa bandeira é imaculada, não tem nenhuma nódoa de violência na sua tessitura, vamos rogar a Deus que continue assim.

Após a morte de Chico Xavier em 2002, muito se fala a respeito dos rumos do Espiritismo no Brasil. Para você, qual a situação atual da doutrina?
Chico Xavier nunca se julgou importante dentro do movimento espírita. Nós sabemos o quanto ele o foi, inclusive dividindo a história do Espiritismo em antes e depois dele, sobretudo, quando deu as duas entrevistas memoráveis no “Pinga-fogo”. Mas, na verdade, ele sempre se julgou grama e como dizia: “grama nasce em qualquer parte; morre uma, nasce outra”. Creio que o Espiritismo será o que nós, os humanos, fizermos dele. É muito difícil julgar qualquer situação na qual estamos inseridos. Acredito que muita coisa tem sido feita por elementos de boa vontade em toda parte. Somente, porém, o distanciamento no tempo dirá se nós os espíritas atuais estamos fazendo tudo o que está ao nosso alcance para a vivência e a divulgação dos princípios.

Em meio aos preparativos para o centenário de Chico Xavier, quais as principais lições do mestre que devem ser lembradas?
Sem dúvida, a bondade e a humildade em uma palavra: a caridade.Creio que Chico gostaria de ser lembrado em um grande movimento nacional de auxílio aos mais carentes, tanto da alma quanto do corpo. O movimento em sua homenagem que o deixaria imensamente alegre e feliz seria aquele no qual se levasse consolação aos enfermos, aos carentes de toda sorte, aos presidiários, aos deficientes, enfim, aos irmãos do caminho que Jesus nos ensinou a buscar para derramar sobre eles a bênção da solidariedade.

“Medicina e Espiritualidade” é tema de seminário com a Dra. Marlene Nobre, dia 29/11, domingo, em Campo Grande-MS


Será no próximo domingo, dia 29/11, das 8 às 13 horas, na Câmara Municipal de Campo Grande, localizada na Av. Ricardo Brandão, 1.600 - Jatiuka Park, próximo ao Shopping, o Seminário  “Medicina e Espiritualidade” com a Dra. Marlene Nobre. Entrada franca.
A Dra. Marlene Nobre é Presidente da Associação Médico-Espírita do Brasil (AME-Brasil),  da Associação  Médico-Espírita Internacional e autora dos livros “Alma da matéria”, "O Passe como Cura Magnética",  “A obsessão e suas máscaras” , entre outros.
A promoção é da Associação Médico-Espírita de Mato Grosso do Sul.
Para conhecer um pouco mais sobre a Dra. Marlene, sugerimos ler a entrevista  publicada no jornal Diário do Nordeste, de Fortaleza-CE, edição do dia 29/03/2009, que reproduzimos na íntegra. A entrevista aconteceu por ocasião de sua visita na cidade, para proferir palestra com o tema Além desta vida, na IV Semana Chico Xavier. Leia a entrevista.

sábado, 14 de novembro de 2009

ICEMS - Campanha novos sócios e colaboradores

Caros Irmãos,
O ICEMS - Instituto de Cultura Espírita de Mato Grosso do Sul, fundado em 15 de Dezembro de 1991, em Campo Grande - MS, é um órgão que visa trabalhar para promover e realizar o estudo, a divulgação e a prática da Doutrina Espírita, com base nas obras de Allan Kardec, procurando colocá-la ao alcance e ao serviço de todas as pessoas.
Com este objetivo proporcionamos oportunidades de estudo, trazendo palestrantes renomados, fazendo estudos quinzenais, seminários e outros encontros, visando sempre o crescimento cultural do Movimento Espírita em nossa região.
Agora, entretanto, para realizar esses trabalhos que se propõe, o ICEMS atravessa uma situação difícil para manutenção financeira dos mesmos, pois todos exigem certas despesas.
Sendo assim, estamos apelando para os nossos irmãos, sobre a necessidade do apoio e da participação de todos que guardam consigo o ideal de difundir o Espiritismo, convidando àqueles que gostariam de se inscrever como SÓCIO e ser parte atuante de nossos projetos, ou mesmo que gostariam de ajudar com DOAÇÕES, depositando diretamente a sua contribuição em conta bancária, no valor de sua escolha.
É muito importante para nós, que nossos irmãos integrem-se nessa luta pela atuação e pelo crescimento do ICEMS, e ficamos imensamente gratos a quem se propuser nos ajudar.
Um grande abraço fraterno.
Diretoria ICEMS

e-mail: icems@icems.org.br 
ICEMS- Instituto de Cultura Espírita de Mato Grosso do Sul
Rua 26 de Agosto, 850 – Centro
Cep: 79002-081
Fone: (67) 3042 2770 / Fax: (67) 3042 2771
 

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Almoço Promocional em prol do Lar Mãe Mariana, dia 15/11/09 - domingo

O Centro Espírita Caminheiros de Jesus convida os irmãos para um delicioso Arroz Carreteiro em Prol do Lar Mãe Mariana.
Data: 15/11/2009 - domingo - horário: 11:30 às 14h
Adesão: R$ 8,00
Local: Centro Espírita Caminheiros de Jesus
Chácara Estrela do Sul
Campo Grande-MS
Observação: Levar pratos e talheres, crianças até 7 anos não pagam, será servido no local - não atenderemos marmitex.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Convite para lançamento do CD do Grupo de Canto “A Voz do Cruzado Pantaneiro”

O Grupo de Canto “A Voz do Cruzado Pantaneiro” da Cruzada dos Militares Espíritas convida para o lançamento do CD Em busca da Paz - Na luz do Evangelho, em prol da construção do Educandário.
Data: 14 de novembro de 2009, sábado, às 19:30h
Local: Colégio Militar de Campo Grande - Av. Presidente Vargas, 2.800 - Bairro Santa Carmélia

Informações: fone (67) 3361-1055 ou 8113-3866 e por e-mail: lobocmemtms@terra.com.br

“No exercício pleno da fraternidade, a paciência, prudência e ternura, são luzes divinais para o progresso espiritual”. (Cel. Ruy Kremer)

“Amizade é o único elo que liga corações de pessoas que se amam”. (Ten. Cel. Pedro de Almeida Lobo – Palana)

Espaço Chico Xavier - Agenda do dia 07/11/2009


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Arquitetos Espirituais

Em nossa reunião da noite de 13 de janeiro de 1955, fomos novamente agraciados com a visita do nosso companheiro Efigênio S. Vitor que nos trouxe interessantes apontamentos, com respeito aos Espíritos Arquitetos, na palestra que passamos a transcrever.

Examinando os variados setores de nossas atividades e encarecendo o valor da contribuição dos diversos amigos que colaboram conosco, é preciso salientar o esforço dos Espíritos Arquitetos em nossa equipe de trabalhos habituais.
Em cada reunião espírita, orientada com segurança, temo-los prestativos e operantes, eficientes e unidos, manipulando a matéria mental necessária à formação de quadros educativos.
Simplifiquemos o assunto, quanto seja possível, para compreendermos a necessidade de nosso auxílio a esses obreiros silenciosos.
Aqui, como em toda parte onde tenhamos uma agremiação de pessoas com fins determinados, existe na atmosfera ambiente um centro mental definido, para o qual convergem todos os pensamentos, não somente nossos, mas também daqueles que nos comungam as tarefas gerais.
Esse centro abrange vasto reservatório de plasma sutilíssimo, de que se servem os trabalhadores a que nos referimos, na extração dos recursos imprescindíveis àcriação de formas-pensamento, constituindo entidades e paisagens, telas e coisas semi-inteligentes, com vistas àtransformação dos companheiros dementados que intentamos socorrer.
Uma casa como a nossa será, inevitavelmente, um pouso acolhedor, abrigando, em nossos objetivos de confraternização, os amigos desencarnados, enfermos e sofredores, a se desvairarem na sombra.
Para que se recuperem, é indispensável recebam o concurso de imagens vivas sobre as impressões vagas e descontínuas a que se recolhem. E para esse gênero de colaboração especializada são trazidos os arquitetos da Vida Espiritual, que operam com precedência em nosso programa de obrigações, consultando as reminiscências dos comunicantes que devam ser amparados, observando-lhes o pretérito e anotando-lhes os labirintos psicológicos, a fim de que em nosso santuário sejam criados, temporariamente embora, os painéis movimentados e vivos, capazes de conduzi-los à metamorfose mental, imprescindível à vitória do bem.
É assim que, aqui dentro, em nossos horários de ação, formam-se jardins, templos, fontes, hospitais, escolas, oficinas, lares e quadros outros em que os nossos companheiros desencarnados se sintam como que tornando à realidade pregressa, através da qual se põem mais facilmente ao encontro de nossas palavras, sensibilizando-se nas fibras mais íntimas e favorecendo-nos, assim, a interferência que deve ser eficaz e proveitosa.
Delitos, dificuldades, problemas e tragédias que ficaram a distância, requisitam dos nossos companheiros da ilustração espiritual muito trabalho para que sejam devidamente revisionados, objetivando-se o amparo a todos aqueles que nos visitam, em obediência aos planos traçados de mais alto.
É assim que as forças mento-neuro-psíquicas de nosso agrupamento são manipuladas por nossos desenhistas, na organização de fenômenos que possam revitalizar a visão, a memória, a audição e o tato dos Espíritos sofredores, ainda em trevas mentais.
Espelhos ectoplásmicos e recursos diversos são também por eles improvisados, ajudando a mente dos nossos amigos encarnados, que operam na fraseologia assistencial, dentro do Evangelho de Jesus, a fim de que se estabeleça perfeito serviço de sintonia, entre o necessitado e nós outros.
Para isso, porém, para que a nossa ação se caracterize pela eficiência, é necessário oferecer-lhes o melhor material de nossos pensamentos, palavras, atitudes e concepções.
Toda a cautela é recomendável no esforço preparatório da reunião de intercâmbio com os desencarnados menos felizes, porque a elas comparecemos, na condição de enfermeiros e instrutores, ainda mesmo quando não tenhamos, em nosso campo de possibilidades individuais, o remédio ou o esclarecimento indispensáveis.
Em verdade, contudo, através da oração, convertemo-nos em canais do socorro divino, apesar da precariedade de nossos recursos, e, em vista disso, é preciso haja de nossa parte muita tranqüilidade, carinho, compreensão e amor, a fim de que a colaboração dos nossos companheiros arquitetos encontre em nós base segura para a formação dos quadros de que nos utilizamos na obra assistencial.
Nossa palavra é simplesmente a palavra de um aprendiz.
Achamo-nos entre os mais humildes recém-vindos àlide espiritual, mas, aproveitando as nossas experiências do passado, tomamos a liberdade de palestrar, comentando alguns dos aspectos de nossa sementeira e de nossa colheita, que funcionam todos os dias, conforme o ensinamento imortal do Senhor: — A cada um por suas obras.

Este texto corresponde à manifestação psicofônica do irmão Efigênio S. Vitor, publicada no livro Instruções Psicofônicas, da Federação Espírita Brasileira, organizado por Arnaldo Rocha, com instruções de vários espíritos, no Grupo Meimei, de Pedro Leopoldo-MG. Sua primeira edição foi no ano de 1955.

sábado, 31 de outubro de 2009

7º Recital de Poesia do Curso de Declamação "Castro Alves", dia 4 de novembro - 4ª feira - às 19:30 horas, no Teatro Prosa do SESC HORTO


A Professora e Poeta Elzabeth Fonseca, apresenta seus alunos no 7º Recital de Poesia do Curso de Declamação "Castro Alves".
mais informações visualizando o Convite e programação abaixo:





















terça-feira, 27 de outubro de 2009

Mapa de Campo Grande, com a localização dos Centros Espíritas


Visualizar Centros Espíritas de Campo Grande-MS em um mapa maior

Realidade Física e a Realidade Espiritual será tema de palestra no ICEMS

O Instituto de Cultura Espírita estará promovendo no dia 31/10/2009, sábado, às 19:30 horas, em sua sede, na Rua 26 de agosto, 850 - Centro, em Campo Grande-MS palestra com o tema "Realidade Física e a Realidade Espiritual", que será ministrada por Décio Iandoli Júnior, Médico, membro da Associação Médico Espírita de Mato Grosso do Sul.
Décio Iandoli Júnior possui graduação em Medicina pela Universidade São Francisco (1987) e doutorado em Técnicas Operatórias e Cirurgia Experimental pela Universidade Federal de São Paulo (1999). Atualmente é professor titular licenciado da Universidade Santa Cecilia e professor doutor da Faculdade de Medicina da UNIDERP. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Clínica, Cirurgia e Endoscopia do Aparelho Digestório, atuando principalmente nos seguintes temas: medicina, cirurgia, fisiologia, espiritualidade e tanatologia.
Escreveu os livros “Fisiologia Transdimensional”, publicado em 2000, “Ser Médico e Ser Humano”, publicado em 2002 (Vertido para o Espanhol) e “A Reencarnação como Lei Biológica” publicado em 2004 (Vertido para o Inglês), “Um Homem no Fundo do Espelho” publicado em 2007 ; autor do capítulo intitulado “O médico diante da morte” no livro “Medicina e Espiritismo” publicado em 2003; autor do capítulo intitulado “Palingenesia”, no livro “Medicina e Espiritualidade”, publicado pela editora INED em 2008 e autor do capítulo intitulado “A Consciência e o Cérebro” no livro “A Vida do Anencéfalo, aspectos científicos, religiosos e jurídicos” publicado pela AME-Brasil em 2009. Autor de artigos publicados em revistas e jornais espíritas diversos (Folha Espírita, Revista Internacional de Espiritismo, Universo Espírita, O Reformador, Revista da Federação Espírita Portuguesa, Revista espírita portuguesa Verdade e Luz entre outras). É apresentador do programa “Ciência e Espiritualidade” pela TV Mundo Maior da Fundação Espírita André Luis, que vai ao ar pela Brasilsat 1 e pela internet (http://www.tvmundomaior.com.br/ ), e pela TV CEI pela internet (http://www.tvcei.com/).

domingo, 25 de outubro de 2009

Almoço Promocional em prol da construção do Lar de Ruy Kremer, dia 01/11/09 - domingo

A Cruzada dos Militares Espíritas convida para Almoço Promocional em prol da construção do Lar de Ruy Kremer.
Data: 01/11/2009 - domingo - 12 horas
Cardápio: Churrasco com carne bovina, suína, frango e ovelha - arroz - vinagrete - mandioca - salada tropical e farofa ecológica.
Investimento: R$13,00 (isento criança até 7 anos)
Não serão servidos marmitex e marmita
Mais informações com o Lobo, fones: 3361-1055 ou 8113-3866, e-mail: manocristao@ig.com.br
Levar prato e talher
Veja abaixo a localização do Lar de Ruy Kremer “onde educar é assistir, amar e evangelizar”.

Visualizar Lar de Ruy Kremer em um mapa maior

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Centro Espírita Caminheiros de Jesus, de Campo Grande-MS, com nova Diretoria e Conselho Fiscal para o biênio 2009/2011.

No sábado, dia 17 de outubro de 2009, foi realizada Assembléia Geral no Centro Espírita Caminheiros de Jesus com a finalidade de eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal, para o biênio 2009/2011.
Foram eleitos: para Presidente Milton Ferreira dos Santos, Vice-presidente Mário Guido de Paula, Primeiro-secretário Rosemeire de Arruda, Segundo-secretário Audax Dias Ribeiro, Primeiro-tesoureiro Idimé Moura de Castro e Segundo-tesoureiro Carla Morello Dalbianco. Para o Conselho Fiscal foram eleitos: Juleica Ribeiro, Carlos Ricartes de Oliveira, Cesar Fernandes, Olivaldo Ivam Giroti e Dirceu Pinheiro de Oliveira. Em nome da administração anterior, Mário Guido de Paula agradeceu o apoio recebido. Dona Nivone, sempre presente falou da importância do trabalho com entusiasmo.
A todos, nossos parabéns e votos de profícua administração.

No Centro são desenvolvidos os seguintes trabalhos:
2ª feira - 19:30hs: Palestra e Passes (trabalho aberto ao público)
3ª feira - 19:30hs: Desenvolvimento Mediúnico (trabalho privativo)
4ª feira - 19:30hs: Desenvolvimento Mediúnico (trabalho aberto ao público)
5ª feira - 19:30hs: ESDE-Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (trabalho aberto ao público)
6ª feira - 19:30hs: Palestra e Passes (trabalho aberto ao público)
Sábado - 14:00hs: Passe para crianças

O Centro Espírita Caminheiros de Jesus fica localizado na Chácara Estrela do Sul, próximo ao Bairro Otávio Pécora, fone: (67) 3351-3242 e Caixa Postal, 22 - CEP 79002-970.
Funciona anexo ao Centro o Lar Mãe Mariana, com diversas atividades para crianças.
Veja abaixo a sua localização:

Visualizar Centro Espírita Caminheiros de Jesus em um mapa maior

Centro Espírita Maria Modesto Cravo, de Campo Grande-MS

O Centro Espírita Maria Modesto Cravo foi iniciado no dia 23/12/2003, mas sua fundação foi em 2008.
Tem na Presidência Jonia Garcia Gomes da Silva, a Vice-presidente é Ana Rita Gomes Bernardes, a Secretária é Moema Chaves e a Tesoureira é a Genisia Barbosa Elias.
Programação:
Segunda-feira 19h15 - Estudos das obras de André Luiz
Terça-feira 19h - Palestra e Passe e Atendimento Fraterno com Entrevista
Quarta-feira 8h30min Passe e visita a doentes e às 19h15min ESDE (Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita).
Quinta-feira 19h Coral Prece em Canto
Sexta-feira 15h Estudo do Livro dos Espiritos e às 19h15min Trabalho Mediunico
Sábado 15h30min Evangelização e escola de Pais e às 18h Palestra e Passe
Mais informações podem ser obttidas através do e-mail: joniagarcia@yahoo.com.br
Fica localizado na Rua Onicieto Severo Monteiro, 200 - Bairro Cuzeiro do Sul.

Visualizar R. Onicieto Severo Monteiro, 200 - Margarida em um mapa maior

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

1° Congresso Espírita do Distrito Federal aconteceu em Brasília



Com cerca de mil inscritos, nos dias 9, 10 e 11 de outubro ocorreu o 1º. Congresso Espírita do Distrito Federal, no Colégio Militar, em Brasília. O tema central “O Espiritismo e os desafios da construção do homem de bem”, foi desenvolvido com os temas: “O Espiritismo e os Desafios na Construção do Homem de Bem”, “Atitude do Homem de Bem diante do apelo do Mundo Moderno”, “A Evangelização na construção do Homem de Bem”, “Chico Xavier, Vida e Obras”, “Esperanto”, “Pacto Áureo”. Houve atuação de dirigentes da FEB: Affonso Soares, Antonio Cesar Perri de Carvalho e Nestor João Masotti; e, de Alberto de Almeida (Pará) e Wagner Gomes Paixão (Minas Gerais). Todo o evento foi transmitido ao vivo pela TVCEI. Informações: www.fedf.org.br

sábado, 10 de outubro de 2009

Trilha sonora do filme Somewhere in Time (Em algum lugar do passado)


Considerado um dos melhores pianistas da atualidade, Maksim Mrvica, nascido na Croácia em 3 de maio de 1975, que além de música clássica, interpreta sucessos como esse, música tema do filme Somewhere in Time (Em algum lugar do passado), composta pelo britânico, John Barry (York, Yorkshire, 3 de Novembro de 1933), responsável por diversas trilhas sonoras do cinema.
Somewhere in Time (Em algum lugar do passado), é um filme de 1980, do gênero drama e ficção científica, dirigido pot Jeannot Szwarc. O filme é baseado no romance de Richard Matheson originalmente publicado com o título de Bid Time Return em 1975 e mais tarde republicado como Somewhere in Time. (fonte: Wikipedia)


A sinopse do filme é do Adoro Cinema:
Universidade de Millfield, maio de 1972. Richard Collier (Christopher Reeve) é um jovem teatrólogo que conhece na noite de estréia da sua primeira peça uma senhora, idosa, que lhe dá um antigo relógio de bolso enquanto, em tom de súplica, lhe diz: "volte para mim". Ela se retira sem dizer mais nada, deixando Richard intrigado enquanto volta para seu quarto no Grand Hotel. Chicago, 1980. Richard não consegue terminar sua nova peça, assim decide viajar sem destino certo e resolve se hospedar no Grand Hotel. Lá resolve visitar o Salão Histórico, que esta está repleto de antiguidades e curiosidades do hotel, e fica encantado com a fotografia de uma bela mulher. Como não havia plaqueta de identificação Richard procura Arthur Biehl (Bill Erwin), um antigo funcionário do hotel, que diz para Richard que o nome dela é Elise McKenna (Jane Seymour), uma atriz famosa que fez uma peça no teatro do hotel em 1912. Collier fica tão obcecado com o rosto de Elise que decide não partir e então vai até uma biblioteca próxima, onde pesquisa sobre McKenna. Para sua surpresa descobre que Elise é a mesma mulher que lhe deu o relógio, que ele carrega até hoje. Richard então procura Laura Roberts (Teresa Wright), que escreveu o artigo sobre Elise. Inicialmente ela não o recebe bem, mas quando ele mostra o relógio Laura fica espantada, pois era uma objeto de estimação que ela nunca se separava e sumiu na noite em que ela morreu, ou seja, na noite em que falou com Richard. Ao conversar mais calmamente com Laura, Richard toma consciência que ele e Elise tinham vários fatores em comum, mas parece que para achar a peça que falta deste bastante intricado quebra-cabeças ele terá de ir em algum lugar do passado, mas para isto precisa se desligar totalmente do presente. 
A duração do filme é de 1 hora e 43 minutos, ano de lançamento:1980, elenco: Christopher Reeve, Jane Seymour, Christopher Plummer, Teresa Wright, Bill Erwin



terça-feira, 22 de setembro de 2009

Ver TV discute a programação religiosa na televisão


O programa semanal Ver TV da TV Câmara discute as funções, a programação, os avanços tecnológicos e as questões éticas de uma TV de qualidade, comprometida com a cidadania. Quinta, às 22h30.

É cada vez maior o espaço ocupado pelas religiões nas TVs brasileiras. Canais abertos ou fechados exibem nos mais diferentes horários programas de proselitismo religioso. Algumas emissoras alugam espaços para confissões religiosas, outras são por elas controladas. O Ver TV quer saber até que ponto essa prática é legal, como ficam as religiões que não tem acesso à TV e quais seriam os caminhos possíveis para que a televisão brasileira pudesse tratar a fé religiosa de maneira serena e equilibrada.
Participam do debate Roberto Livianu, promotor de Justiça no Estado de São Paulo, doutor em direito pela USP e autor da pesquisa "O caráter educativo da laicidade do Estado para a esfera pública: alcance e da ação do MP em defesa da cidadania e da democracia"; Rita Segato, antropóloga, professora da Universidade de Brasília, pesquisadora dos "Movimentos religiosos no mundo contemporâneo" e integrante do grupo de pesquisa sobre "Religião e Sociedade" do Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (Clacso); e Lucelmo Lacerda, historiador, especialista em história das religiões, autor de pesquisa sobre o caso "Ratzinger versus Boff", desenvolvida no programa de pós-graduação da PUC de São Paulo.

Serenata de Schubert

sábado, 19 de setembro de 2009

Almoço Beneficente - domingo: 20/09/09 - em prol do Lar Mãe Mariana, anexo ao Centro Espírita Caminheiros de Jesus

Prezados amigos

Será realizado no próximo domingo, dia 20/09, Almoço Beneficente, muito bem organizado, churrasco excelente.
A receita será em prol do Lar Mãe Mariana, anexo ao Centro Espírita Caminheiros de Jesus, na Chácara Estrêla do Sul, próximo ao bairro Otávio Pécora.
O Lar é responsável por 110 crianças, e oferece educação do 1º grau em convênio com a Prefeitura Municipal de Campo Grande e diversas atividades esportivas, profissionalizantes e esportivas em tempo integral, bem como alimentação (almoço e merendas).

O almoço será servido das 12 as 14 horas - levar pratos e talheres.
custo: R$ 15,00 - crianças até 7 anos não pagam
Local: Loja Maçônica Estrêla do Sul nº3
Rua Santa Lina, 533 - Bairro: Frederico Portinho Pache - após a Associação dos Engenheiros e Arquitetos.
Campo Grande-MS
localização:

Exibir mapa ampliado

mais informações: Ronaldo São Romão Sanches
cel. 9632-1291

sábado, 5 de setembro de 2009

Capacitação para Trabalhadores da Assistência e Promoção Social Espírita

dia 13 de setembro de 2009
horário: 8h às 16h30
local: Federação Espírita de Mato Grosso do sul - FIEMS
Av. Calógeras, 2.209 – Centro - CEP 79004-383
Campo Grande-MS
mais informações:
e-mail: fems@fems.org.br
fone: (67) 3324-8322
fax: (67) 3324-3757

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Palestra: A Vida e Obra de Adolfo Bezerra de Menezes, dia 29/08/2009


Local: INSTITUTO DE CULTURA ESPÍRITA DE MATO GROSSO DO SUL
Data: 29/08/2009 - sábado - Horário: 19h 30min
Tema: " A Vida e Obra de Adolfo Bezerra de Menezes "
Palestrante: PAULO MENDONÇA.

Rua 26 de Agosto, 850 - Centro
mais informações: fone (67) 3042-2770
Campo Grande-MS
CEP 79002-081
e-mail:
icems@icems.org.br

domingo, 23 de agosto de 2009

As Teorias sobre a Origem da Vida e a Visão Espírita

“No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava sobre as águas. Disse Deus: Haja luz; e houve luz.” Gênesis, 1:1-3.

Estes belos ensinamentos, contidos no primeiro livro do pentateuco judaico, acrescidos de toda a descrição da criação do mundo, segundo o autor, vem sendo constantemente ponto de discussão acirrada, onde criacionistas e evolucionistas tentam provar qual das teorias estaria verdadeiramente certa.

A busca da compreensão da origem do Universo e, conseqüentemente, da origem da Vida, tem sido uma constante para a Humanidade que, no entanto, se esquece, na sua presunção, de que tal procura se confunde com a própria essência do Criador e que para tal nos falta “o sentido”, como nos afirmam os Espíritos da Codificação sobre as possibilidades do homem de compreender a Deus.

Apesar das limitações humanas, é dever da Ciência encontrar respostas para os anseios de todos, tentando explicar-nos as causas, das quais resultou o maravilhoso espetáculo da vida. Sendo assim, ainda ficam para a maioria as perguntas: A vida surgiu por acaso ou a partir de uma vontade superior? Os seres vivos sempre tiveram a aparência atual ou sofreram transformações ao longo do tempo? Os animais de diferentes espécies apresentam algum grau de parentesco? Temos um ancestral comum?

Os conflitos fizeram-se mais intensos no século dezoito, quando surgiram novas teorias que contradiziam as idéias criacionistas, que preponderavam até então.

O marco maior desses conflitos ocorreu em 1859, com a publicação do livro A Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural, de Charles Darwin. Para Darwin, a vida resultou de mutações aleatórias da matéria a partir de modelos extremamente simples. E foi evoluindo por meio de uma seleção adaptativa dessas mutações, atendendo à necessidade de sobrevivência. Dentro de sua teoria, a vida teria começado espontaneamente no momento em que uma sopa primordial de elementos químicos básicos, submetida às condições da Terra primitiva, produziu pela primeira e única vez uma molécula replicante. A partir daí, mudanças graduais, ao acaso, permitiram o surgimento de seres cada vez mais complexos.

Dessa maneira, a evolução seria uma repetição incessante da reprodução, onde a geração anterior passaria para a próxima os genes herdados de seus antepassados, quando poderiam ocorrer pequenos erros, chamados de mutações, as quais, de forma aleatória, provocariam as mudanças progressivas nas espécies; e, no decorrer das gerações, essas mutações seriam selecionadas, atendendo à necessidade de sobrevivência daqueles grupos.

Essas colocações escandalizaram à Igreja e aos seguidores da Teoria Criacionista. É importante, porém, lembrarmos que elas não foram as primeiras idéias evolucionistas, que Lamarck já havia trazido uma abordagem neste sentido e que, num período anterior e muito próximo, Kardec já trazia ao mundo uma idéia nova, oriunda dos ensinamentos dos Espíritos, os quais reuniam posturas criacionistas e evolucionistas em uma só teoria.

Com o surgimento das idéias darwinistas e a comprovação de muitos de seus postulados, a Ciência, quase como um todo, foi assumindo a conceituação evolucionista, de tal forma que, na maioria dos países, inclusive no Brasil, ela é a única teoria sobre a origem da vida estudada nas escolas.

No entanto, é importante ressaltar que o darwinismo não é uma teoria acabada e comprovada, existindo, hoje, várias abordagens que a reforçam ou retratam-na, buscando dar explicações mais consistentes, de acordo com a evolução dos conhecimentos científicos. No início do século vinte, os cientistas Wilhelm Johannsen (inventor do termo “gene”), e Thomas Morgan (pai da teoria cromossômica da hereditariedade) deduziram que novas espécies surgiam de uma única grande mutação e não da seleção natural.

Mooto Kimura, outro geneticista, retomou a teoria neutralista, afirmando que a maioria das mudanças evolutivas, no âmbito da genética molecular, seriam neutras, ou seja, não dependentes da seleção natural.

Em 1972, os paleontólogos Stephen Jay Gould (Harvard) e Niles Eldredge (Museu de História Natural de Nova York) trouxeram uma nova abordagem, vista por muitos como complementar ao darwinismo, que afirma que a evolução acontece em saltos rápidos, quando populações pequenas desenvolvem, em períodos de não mais que 10.000 anos, novas características para se adaptar a um certo ambiente. Depois, essas espécies tendem a manter-se constantes por milhões de anos. Esse modelo explicaria a ausência de fósseis que mostrem claramente a mutação das espécies ao longo de bilhões de anos. Todo o desenvolvimento dessas idéias não foi o suficiente para sepultar a visão criacionista, que, no momento atual, se utiliza da própria biologia, da bioquímica e da matemática para sofisticar os argumentos a favor dessa última abordagem.

No entanto, é preciso lembrar que a teoria criacionista defendida pelos fundamentalistas religiosos é diferente daquela apresentada por este grupo de estudiosos. Para aqueles, que se fazem radicais em sua abordagem, a teoria da origem da vida resume-se nas seguintes premissas:

– O Universo, a energia e a vida foram criados do nada por Deus;

– Os organismos complexos não surgiram de formas mais simples da vida, através de mutações aleatórias;

– As variações entre os seres vivos limitam-se dentro de cada espécie;

– Os homens e macacos têm ancestrais distintos;

– A geologia terrestre é explicada pelo catastrofismo, a começar pelo dilúvio registrado na Bíblia;

– E a Terra é jovem, tendo menos de 10.000 anos.

Os estudiosos modernos vinculados à teoria do criacionismo afirmam terem razões não religiosas para acreditarem em suas abordagens. Para eles, a complexidade da vida requer a existência de um “planejamento inteligente”. Esta teoria já estava presente no século treze, quando Tomás de Aquino, um dos príncipes da Igreja Católica, usou o argumento da complexidade da vida como uma das provas da existência de Deus. Entretanto, o neocriacionismo, como é agora conhecido, embora defenda o “planejamento inteligente”, foge dos raciocínios metafísicos e esotéricos do passado, buscando na bioquímica suas maiores bases. Um dos principais defensores dessas idéias é o bioquímico Michael Behe, professor da Universidade Lehigh, na Pensilvânia (EUA), autor do livro A Caixa Preta de Darwin. Para ele, “a teoria de Darwin pode explicar cascos de cavalos, mas não os alicerces da vida”.

Os neocriacionistas defendem que a vida não tem nada de aleatório, seguindo a este chamado “planejamento inteligente”. A maior prova disto estaria na complexidade dos sistemas celular e molecular, os quais seriam verdadeiras máquinas cujas partes, embora independentes, estariam interligadas estreitamente e a ausência de um único componente do sistema seria o suficiente para impedir o seu funcionamento.

Exemplos dessa situação encontraríamos em estruturas como o olho humano e o sistema de coagulação sangüínea; eles só são capazes de funcionar quando todos os elementos estão presentes e em perfeitas conexões. Para eles, essa engenharia complexa não poderia ser fruto de mudanças aleatórias.

O físico Grichka Bogdanov, em seu livro Deus e a Ciência, explicando o surgimento das moléculas de nucleoproteínas, afirma: “Para que a agregação dos nucleotídeos conduzisse ‘por acaso’ à elaboração de uma molécula de ARN utilizável, teria sido preciso que a natureza multiplicasse, às apalpadelas, as tentativas, durante pelo menos 10 a(potência) 15 anos, ou seja, durante cem mil vezes mais tempo que a idade do nosso Universo” (p. 52).

Outro elemento usado para confirmar esse posicionamento encontra-se no fato de até hoje não termos registros de animais transicionais (um fóssil que fosse exatamente uma transição de uma espécie para a outra).

Michael Behe afirma em seu citado livro: “Dizer que a evolução darwiana não pode explicar tudo na natureza não equivale a dizer que a evolução, a mutação aleatória e a seleção natural não ocorram. Elas foram observadas (pelo menos nos casos de microevolução) em muitas ocasiões diferentes. Tal como os analistas de seqüência, acredito que a prova confirma convincentemente a ascendência comum.” E continua, posteriormente: “Ninguém jamais explicou de forma detalhada, científica, como a mutação e a seleção natural poderiam construir as estruturas complexas, intricadas, discutidas neste livro.” (Cap. 8, p. 179.)

Para esse grupo de estudiosos, o mundo da bioquímica está repleto de sistemas irredutivelmente complexos, verdadeiras máquinas químicas, precisas e interdependentes, que exigem uma amarração que está muito além da coincidência. Tal abordagem não é, entretanto, uma defesa direta da existência de Deus, como defendida pela maioria das religiões, mas sim de um “plano inteligente”, que necessita ainda de pesquisa para sua melhor compreensão, mas sem o qual ficam incompreensíveis muitas das situações presentes no processo evolutivo.

Chega para nós, com uma alegria e satisfação, a teoria espírita do surgimento da vida, a partir de um Criador, que é “Inteligência Suprema, Causa Primária de todas as cousas”, mas que segue suas próprias leis, que são as da Natureza em si, para realizar todo o processo evolutivo. Reúnem os Espíritos as duas teorias, retirando delas toda a postura radical, buscando desenvolver o conhecimento de forma racional e crítica.

O Espiritismo entende, como nos ensina Kardec, no seu livro A Gênese, que o texto retratado no início deste artigo, como tantas outras formas mitológicas e místicas de narração da criação do mundo, seria aquele de possível compreensão para aquele povo, em determinado momento da História, e não uma visão acabada do fato; não passaria de forma alegórica, para as mentes ainda infantis, no campo do conhecimento científico.

Sobre a criação dos mundos e do surgimento dos seres vivos, recolhemos alguns ensinamentos contidos em O Livro dos Espíritos, no capítulo III, da sua primeira parte (Ed. FEB):

– “É fora de dúvida que ele [o Universo] não pode ter-se feito a si mesmo. Se existisse, como Deus, de toda a eternidade, não seria obra de Deus.”

– “Tudo o que a esse respeito se pode dizer e podeis compreender é que os mundos se formam pela condensação da matéria disseminada no Espaço.”

– “No começo tudo era caos; os elementos estavam em confusão. Pouco a pouco cada coisa tomou o seu lugar. Apareceram então os seres vivos apropriados ao estado do globo.”

Sobre a questão da evolução dos seres a partir de um elemento comum e das suas características individuais, assim se expressam os mesmos Espíritos, na pergunta 611, do citado livro:

– “Duas coisas podem ter a mesma origem e absolutamente não se assemelharem mais tarde. Quem reconheceria a árvore, com suas folhas, flores e frutos, no gérmen informe que se contém na semente donde ela surge? Desde que o princípio inteligente atinge o grau necessário para ser Espírito e entrar no período da humanização, já não guarda relação com o seu estado primitivo e já não é a alma dos animais, como a árvore já não é a semente. De animal só há no homem o corpo e as paixões que nascem da influência do corpo e do instinto de conservação inerente à matéria.”

Ainda sobre o surgimento da Terra e a criação da vida e o seu processo evolutivo, recolhemos fragmentos do capítulo III, da primeira parte do livro Evolução em Dois Mundos, autoria espiritual de André Luiz, psicografado pelos médiuns Francisco C. Xavier e Waldo Vieira (Ed. FEB), que se ajustam aos postulados neocriacionistas, explicando-os com clareza:

“A matéria elementar, de que o eletrão é um dos corpúsculos-base (...) acumulada sobre si mesma, ao sopro criador da Eterna Inteligência, dera nascimento à província terrestre (...).”

“A imensa fornalha atômica estava habilitada a receber as sementes da vida (...).”

“Dessa geléia cósmica, verte o princípio inteligente, em suas primeiras manifestações...”

“Aparecem os vírus e, com eles, surge o campo primacial da existência, formado por nucleoproteínas e globulinas, oferecendo clima adequado aos princípios inteligentes ou mônadas fundamentais, que se destacam da substância viva, por centros microscópicos de força positiva, estimulando a divisão cariocinética.”

“Evidenciam-se, desde então, as bactérias rudimentares, cujas espécies se perderam nos alicerces profundos da evolução (...).”

“O tempo age sem pressa, em vagarosa movimentação no berço da Humanidade, e aparecem as algas nadadoras (...).”

“Mais tarde, assinalamos o ingresso da mônada, a que nos referimos, nos domínios dos artrópodos (...).”

“Avançando pelos equinodermos e crustáceos, entre os quais ensaiou, durante milênios, o sistema vascular e o sistema nervoso, caminhou na direção dos ganóides e teleósteos, arquegossauros e labirintodontes para culminar nos grandes lacertinos e nas aves estranhas, descendentes dos pterossáurios, no jurássico superior, chegando à época supracretácea para entrar na classe dos primeiros mamíferos, procedentes dos répteis teromorfos (...).”

“Contudo, para alcançar a idade da razão, com o título de homem, dotado de raciocínio e discernimento, o ser, automatizado em seus impulsos, na romagem para o reino angélico, despendeu para chegar aos primórdios da época quaternária, em que a civilização elementar do sílex denuncia algum primor de técnica, nada menos de um bilhão e meio de anos (...).”

Vemos, então, a Doutrina Espírita permanecendo com os seus ensinamentos, nestes quase cento e cinqüenta anos de existência, como recurso para o aprendizado da Humanidade, não fugindo aos estudos e pesquisas que vêm sendo desenvolvidos, demonstrando com clareza a grandiosidade do Criador, não por uma postura mágica ou miraculosa, mas pelas suas leis que se fazem presentes em todo o Universo, construindo uma história da Criação condizente com a sua Justiça, a sua Verdade, mas, acima de tudo, com o seu Amor.

Em sua lógica, quebra as fantasias dos mitos existentes em todos os povos sobre a criação do Universo, entendendo e respeitando esses relatos como formas adequadas a cada tempo para a compreensão dos fatos, sustenta idéias que vêm sendo progressivamente revistas e serão comprovadas em tempo hábil, provando a existência de Deus, a supremacia de suas Leis e a teoria da evolução direcionada por um “planejamento inteligente”; determina, porém, os limites do conhecimento humano, pelas suas condições evolutivas, quando Kardec, em O Livro dos Espíritos, na pergunta 613, comenta:

“O ponto inicial do Espírito é uma dessas questões que se prendem à origem das coisas e de que Deus guarda o segredo. Dado não é ao homem conhecê-las de modo absoluto, nada mais lhe sendo possível a tal respeito do que fazer suposições, criar sistemas mais ou menos prováveis. Os próprios Espíritos longe estão de tudo saberem e, acerca do que não sabem, também podem ter opiniões pessoais mais ou menos sensatas.”

Artigo publicado na Revista Reformador, de agosto de 2003. O autor do artigo, Roberto Lúcio Vieira de Souza é Médico Psiquiatra, Vice-Presidente da AME-Brasil, Diretor Clínico do Hospital Espírita André Luiz (BH), Psiquiatra e Psicoterapeuta do Instituto de Assistência Psíquica Renascimento (BH) é autor dos livros:
- O Homem Sadio - Uma Nova Visão - Espíritos Diversos - co-autoria Alcione Albuquerque
- Mediunidade Com Jesus - Carlos (espírito)
- Porque Adoecemos vols I e II -co-autor
- Desafios em Saúde Mental - co-autor
- Depressão -Uma abordagem médico-espírita (co-autor)
- Saúde e Espiritismo - co-autor
- Das Patologias aos Transtornos Espirituais - Uma abordagem médico-espírita da obra de Manoel Philomeno de Miranda - co-autor
- Conversando sobre a Sexualidade.
veja mais artigos de
Roberto Lúcio Vieira de Souza no Portal Espiritualista

IV Congresso de Saúde e Espiritualidade de MG, acontecerá em Belo Horizonte-MG, de 28 a 30 de agosto de 2009.

O IV Congresso de Saúde e Espiritualidade de MG, terá como tema "Saúde, Paz e Consciência - Construindo o cidadão do séc. XXI". Abordará a experiência humana sob a perspectiva da imortalidade, com ênfase na aliança entre ciência e espiritualidade no entendimento do processo saúde-doença.
Será discutido o entendimento da saúde, sob a ótica espiritista, como a real conexão criatura-criador, buscando dissecar os mecanismos que nos afastam e religam ao Pai nos caminhos da vida.
As inscrições estão abertas e poderão ser feitas pelo site www.amemg.com.br , pelo tel. (31) 3332-5293 ou pessoalmente na sede da AME- MG, à rua Conselheiro Joaquim Caetano, 1160 - Nova Granada, Belo Horizonte/MG.

MEDNESP 2009 - Consciência, Espiritualidade e Saúde: Desafios na Prática Profissional

O VII Congresso Nacional da Associação Médico-Espírita do Brasil (AME Brasil), realizado entre os dias 11 e 13 de junho, em Porto Alegre (RS), foi um grande sucesso. Sediado na Universidade Federal do Rio Grande Sul, foi a primeira vez em 14 anos que ocorre fora do estado de São Paulo e contou com cerca de mil e trezentos congressistas.
Durante os três dias, 50 oradores ministraram palestras de temas de Neurociência e Psiquiatria, aspectos de clínica médica e das diversas especialidades e questões bioéticas.
Durante o evento, houve o lançamento de dois livros: "O Passe como Cura Magnética", de autoria da dra. Marlene Nobre - pres. da AME Brasil - e "A Vida do Anencéfalo - aspectos científicos, religiosos e jurídicos", de vários autores.
Estes livros estão disponíveis para aquisição na livraria virtual da FE Editora e as palestras em DVDs na loja virtual da AME- Brasil. O próximo MEDNESP será realizado em 2011, na cidade de Belo Horizonte (MG), em parceria com os membros da AME Minas Gerais.

Confira as fotos do evento.

Inteligência Artificial: Em busca da consciência e da personalidade

Julio Peres

As neurociências têm trazido importantes avanços relativos à compreensão da “linguagem” neural. Por exemplo, o treinamento de controle de um braço robótico através de um circuito fechado de interface cérebro-máquina é possível hoje em macacos, e num futuro próximo possivelmente ocorrerá em humanos (Nicolelis and Chapin, 2002). As implicações terapêuticas serão marcantes em vítimas de traumas que interromperam a comunicação entre o cérebro preservado e a motricidade dos membros.

O desafio maior de uma parte considerável das neurociências é decifrar como correntes de pulsos elétricos/químicos, varrendo o sistema nervoso central são, de alguma maneira, traduzidas em consciência, pensamentos e emoções. A despeito dos avanços, a possibilidade da leitura computacional da linguagem neural não esclarece a questão da criação ou mediação cerebral em relação aos fenômenos mentais. Contudo, a hipótese de que a mente seja um epifenômeno (subproduto) neural motivou pesquisadores a reproduzir artificialmente as redes computacionais visando em última instância a criação do “Eu”.

Estudos sobre comportamentos intermediados por processos neurais inconscientes (memórias implícitas, reflexos cognitivos, tratamento de estímulos sensoriais e ações/respostas automáticas, etc.) suportam o funcionamento cerebral como um refinado sistema computacional. As abordagens neurocientíficas convencionais postulam não conclusivamente que a consciência seja uma propriedade emergente de interações complexas entre os neurônios.

Contudo, se fosse possível realmente reproduzir um sistema nervoso, essencialmente neurônio por neurônio, numa bancada computacional, a consciência se manifestaria? Estudiosos da Inteligência Artificial (IA) como Christof Koch, Terry Winograd e Hans Moravec respondem que sim e inferem que as propriedades físicas do cérebro e do sistema nervoso criam a mente. Uma importante parcela de investigadores acredita ser possível construir algoritmicamente a alma humana (Devoto, 1992).

Nos últimos 15 anos observamos linhas de pesquisas sobre personalidade, psicologia transcultural, ciência cognitiva, física, engenharia e neurociências combinadas em um número crescente de investigações sobre sistemas computacionais que procuram emular o tratamento humano de informações (Pew and Mavor, 1998).

A personalidade e as expressões emocionais são os principais atributos diferenciais entre os humanos e humanóides controlados por redes computacionais. Assim, grande esforço tem sido feito para dissecar e reproduzir o irretorquível número de variáveis (personalidade, temperamento, emoções, representação e a articulação simbólica do conhecimento, inclinações idiossincráticas, coerência situacional, flexibilidade adaptativa, etc.) que compõem a humanidade.

Ishiguro e Nishio (2007), entre outros investigadores, justificam que o desenvolvimento de inteligências artificiais em robôs andróides pode trazer uma melhor compreensão da própria natureza humana. Na tentativa de dissecar os elementos constituintes da personalidade para então combiná-los computacionalmente, algumas definições objetivas, porém parciais, foram adotadas como referenciais de partida. Por exemplo, o modelo Cinco Fatores de Personalidade, usado inicialmente em vários projetos de IA, postula que a personalidade se organizaria hierarquicamente em apenas cinco fatores (McCrae & John, 1992).

Abordagens recentes mais complexas estudam características da personalidade, da emoção e da cultura, como plataforma para o desenvolvimento de mapas cognitivos computacionais. Segundo investigadores de IA os sistemas mais avançados (ex. ACT-R/PM, COGNET/iGEN®, EPIC/GLEAN, KISMET, OMAR, Repliee, Soar) compartilham vários princípios válidos à compreensão dos elementos que aproximam máquinas de humanos. Por exemplo, Kismet é uma expressiva “criatura” robótica com modalidades perceptuais e motoras adaptadas aos canais de comunicação natural aos humanos.

O robô é equipado com dispositivos visuais, auditivos, sensoriais e proprioceptivos, além de recursos que permitem vocalizações, expressões faciais, sinais comunicativos motores e capacidade para ajustar o olhar na direção dos olhos da pessoa com quem interage (Breazeal, 2000). Porém, o refinamento da chamada Arquitetura Personalizada de Cognição, que supostamente permitiria a criação de representações do comportamento humano com variabilidade sobre a personalidade, a emoção e até certo ponto dimensões culturais, não alcançou expressão individual do Eu, tal como ocorre em humanos.

A despeito de algumas crianças identificarem um robô humanóide como agente e não como um objeto (Arita et al., 2005), os ingredientes dinâmicos constituintes da personalidade, que tornam um ser único, não foram ainda encontrados pelos investigadores. Em suma, tais robôs se comportam mais como autômatos inteligentes do que como pessoas reais com bases motivacionais e emocionais que afetam a cognição e o comportamento.

Uma revisão recente dos avanços conceituais e empíricos nesse campo demonstra que as variáveis interindividuais da personalidade são demasiadas para a modelagem de uma arquitetura da personalidade (Cervone, 2005). A engenharia computacional não conseguiu criar o senso de individualidade carregado de emoções, temperamento, desejos e livre-arbítrio nos robôs, e que assim se tornariam “criaturas”. A mais avançada complexidade computacional não contém os ingredientes da vida anímica ou da consciência. Assim postulam outros investigadores de IA: a dinâmica cerebral, e seu funcionamento quântico, vai muito além das propriedades computacionais e não pode ser modelada como uma rede neural que obedece aos princípios da física clássica (Hameroff, 2001; Kurita, 2005).

Lembramos que Penfield (1978), depois de seus estudos com estimulação elétrica do cérebro in vivo para mapear as funções corticais, advertiu que as redes neurais isoladamente não seriam capazes de produzir a consciência, afirmando: “A mente tem uma existência distinta do cérebro, embora esteja intimamente relacionada a ele... Não há local no córtex cerebral onde a estimulação elétrica fará o paciente decidir.” Consideramos que o cérebro seja um complexo mediador do livre-arbítrio e da vida anímica, provedores do desenvolvimento da personalidade através das vidas sucessivas.

Referências Bibliográficas
Arita A, Hiraki K, Kanda T, Ishiguro H. (2005). Can we talk to robots? Ten-month-old infants expected interactive humanoid robots to be talked to by persons. Cognition. 95(3):B49-57.
Breazeal, C. (2000), “Sociable Machines: Expressive Social Exchange Between Humans and Robots”. Sc.D. dissertation, Department of Electrical Engineering and Computer Science, MIT.
Cervone D. (2005). Personality architecture: within-person structures and processes. Annu Rev Psychol. 56:423-52.
Devoto R. (1992). Is it possible to build up an algorithm of the human soul? Acta Psiquiatr Psicol Am Lat. 38(2):103-11.
Hameroff S. (2001). Consciousness, the brain, and spacetime geometry. Ann N Y Acad Sci. 929:74-104.
Ishiguro H, Nishio S. (2007). Building artificial humans to understand humans. J Artif Organs. 10(3):133-42.
Kurita Y. (2005). Indispensable role of quantum theory in the brain dynamics. Biosystems. 80(3):263-72.
McCrae, R., & John, O.P. (1992). An introduction to the Five-Factor Model and its applications. Journal of Personality, 60, 175-215.
Nicolelis MA, Chapin JK. (2002). Controlling robots with the mind. Sci Am. 287(4):46-53.
Penfield W. (1978). The Mistery of Mind – A critical study of consciousness and the human brain. Princetown University Press.
Pew R. & Mavor A. (eds.) (1998). Modeling Human and Organizational Behavior: Application to Military Simulations. Wash., DC: National Academy Press.

Artigo publicado no jornal Folha Espírita, edição de novembro de 2008.
O autor Julio Peres é psicólogo clínico, doutor em Neurociências e Comportamento pela USP e realizou pós-doutorado pelo Centro Espiritualidade e Mente da Universidade Pensilvânia, EUA.

DROGAS: ENFRENTAMENTO E COMPROMISSO

É fato incontestável o razoável aumento do consumo de drogas, seja em grandes e pequenos centros urbanos, na sociedade brasileira, notadamente entre adolescentes. No entanto, infelizmente, já se percebe crianças envolvidas no submundo da dependência química.

Atualmente, a Lei nº 11.343/06 prevê tanto o uso, quanto o comércio de drogas como condutas criminosas. A diferença é que para o crime de uso de drogas a lei não mais admite a pena privativa de liberdade, no que andou bem.

A própria lei entende o dependente químico como um problema de saúde pública, sendo absolutamente ineficaz, seja do ponto de vista individual ou social, aplicar a pena de prisão para a conduta de quem adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou trouxer consigo, para consumo pessoal, drogas.

Outro ponto digno de destaque é que o consumo de drogas atinge qualquer jovem independente da condição sócio-econômica. Com efeito, a conclusão a que se chega, convivendo com usuários e respectivos pais, é que o maior desafio nos tempos atuais consiste em trabalhar para que se evite o pernicioso contato com o mundo das drogas.

O trabalho repressivo, que resulta na apreensão de elevadas cargas de maconha, cocaína e ecstasy, por exemplo, é de relevância considerável, além da prisão de traficantes. No entanto, o tráfico de drogas somente subsiste por conta da massa sedenta de usuários incontroláveis. Os EUA é o país que mais investe no poderio repressivo. Contudo, é o que apresenta maior mercado consumidor. Neste sentido, pode-se concluir que a prevenção é o caminho para resolver este problema.

Segundo o espírito Manoel Philomeno de Miranda, o usuário de droga possui constituição emocional frágil, que se deixa arrastar pela “insensatez de traficantes perversos e criminosos que amealham fortunas ignóbeis através do arrebanhamento de multidões de enfermos da alma que lhes tombam nas armadilhas cruéis. A desvalorização da vida, em face da busca do prazer desenfreado, com a exaltação do sexo aviltado, constitui estímulo para as fugas espetaculares da realidade na direção do aniquilamento orgânico – suicídio indireto - em vã expectativa de extinção do corpo.”

Nesta linha de raciocínio, pode-se admitir que a tarefa de educação deve ser levada muito a sério pelos pais, como auxílio imprescindível no processo de construção do caráter dos filhos. O conhecimento espírita possibilita alcançar que o espírito é milenar, uns detentores de maior serenidade emocional e outros nem tanto. A atenção maior, pois, deve-se dar ao filho denominado muitas vezes, preconceituosamente, como “problema”.

Às vezes, rejeitado pelos pais, ainda que inconscientemente, por não apresentar o comportamento esperado, busca nas drogas o meio de se extravasar e, muitas vezes, encontra no ambiente do tráfico respeito e consideração, o que sempre esperou e pouco teve no lar. De uma situação de invisibilidade passa a ser visível, achando, pois, meio de chamar a atenção da família.

A conversa amiga, o diálogo franco e sincero, a orientação adequada e perene, o encaminhamento à evangelização, a realização do culto do Evangelho no lar são alguns dos medicamentos propostos pela terapêutica espírita para o fortalecimento do caráter de espíritos imortais, que nos são confiados neste momento. Trabalho paciente, mas recompensador. Há que se ter esperança.

Artigo publicado no site da Associação Jurídico-Espírita do Estado de São Paulo / AJE-SP. O autor, TIAGO CINTRA ESSADO é promotor de justiça e Presidente da AJE-SP.

A CONSTRUÇÃO DA ESPIRITUALIDADE NA MEDICINA

Dra. Marlene Nobre
Presidente da AME-Brasil


Cada vez mais, “minorias criativas” (1) buscam a integração entre Fé e Razão, tendo em vista que é impossível compreender o mundo, o universo e o próprio ser humano, sem as luzes de um paradigma, de um modelo, que contemple todas as áreas das cogitações humanas. As revoluções conceituais da física , no século XX, muito contribuíram para essa nova visão da realidade, demonstrando que a matéria cedeu lugar à energia, o tempo é variável, o movimento descontínuo, a interconectividade não localizada, e a consciência é capaz de influir nos eventos, selecionando possibilidades. Nesse novo tempo, especialistas passaram a enxergar o ser humano de forma integral, conectado a uma imensa rede invisível, que engloba todas as coisas, do micro ao macrocosmo, e não têm nenhum pudor em reconhecer a complementaridade entre Ciência e Religião, valorizando a integração da Espiritualidade à vida humana.

Neste site, você acompanhará todos os desdobramentos do novo paradigma para a saúde proposto pelo Espiritismo e também notícias de outras propostas de Medicina e Espiritualidade. Esperamos que ele possa lhe ser útil.

Cada vez mais, “minorias criativas” (1) buscam a integração entre Fé e Razão, tendo em vista que é impossível compreender o mundo, o universo e o próprio ser humano, sem as luzes de um paradigma, de um modelo, que contemple todas as áreas das cogitações humanas. As revoluções conceituais da física , no século XX, muito contribuíram para essa nova visão da realidade, demonstrando que a matéria cedeu lugar à energia, o tempo é variável, o movimento descontínuo, a interconectividade não localizada, e a consciência é capaz de influir nos eventos, selecionando possibilidades. Nesse novo tempo, especialistas passaram a enxergar o ser humano de forma integral, conectado a uma imensa rede invisível, que engloba todas as coisas, do micro ao macrocosmo, e não têm nenhum pudor em reconhecer a complementaridade entre Ciência e Religião, valorizando a integração da Espiritualidade à vida humana.

Foi assim que ganhou impulso, na década 1970, uma dessas minorias criativas, formada por médicos que buscam implantar nas universidades estudos de Medicina e Espiritualidade. Sob essa denominação, já há cursos regulares ou opcionais, e também de pós-graduação, em 2/3 das universidades americanas, entre outras, nas Escolas Médicas de Harvard, com Herbert Benson, judeu, de Duke, com Harold Koenig, católico, do Novo México, com William Miller, luterano. Afirmamos, com renovada alegria, que nós, médicos espíritas, fazemos parte de uma dessas minorias criativas que tenta levar Espiritualidade às universidades, porque os fundamentos da Medicina Espírita estão em sintonia com o que é realizado, hoje, na maioria das universidades norte-americanas.

A obra do ilustre físico e humanista Fritjof Capra, especialmente, O Ponto de Mutação , está na vanguarda dessa luta em favor de um novo paradigma para a humanidade, em particular para a Medicina, com sua proposta de Assistência Holística à Saúde, que contempla o ser humano integral – Mente-Corpo. Nessa luta por um novo modelo de saúde, engajou-se também o físico quântico, Amit Goswami, com sua teoria sobre a Consciência, exposta em sua obra, especialmente, O Universo Autoconsciente. Nela, ele sustenta que a Consciência está fora da matéria, sendo, na verdade, fonte criadora do mundo material.

Hoje, tanto quanto nos séculos XIX e XX, há fortes evidências científicas da existência do Espírito. Pesquisadores, em sua maioria não espíritas, têm investigado casos de Experiências de Quase Morte (EQM), Visões no Leito de Morte, Experiências Fora do Corpo, Transcomunicação Instrumental e Reencarnação, acumulando evidências em favor da sobrevivência da alma.

O neuropsiquiatra, Peter Fenwick, os cardiologistas Michael Sabom e Pim Van Lommel, os psiquiatras, Raymond Moody Jr , Elizabeth Kübler-Ross e Sarah Kreutziger, o pediatra Melvin Morse, os psicólogos, Kenneth Ring, Phillis Atwater e Margot Grey, entre outros, relataram casos de EQM, contando o que centenas de sobreviventes da morte vivenciaram, quando foram considerados clinicamente mortos. A conclusão dos pesquisadores e dos sobreviventes é de que algo imaterial sobrevive à morte do corpo físico.

Na alentada obra Reincarnation and Biology, de Ian Stevenson , professor de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Virgínia, EUA, constatamos também, nos 2.600 casos pesquisados, não apenas evidências da sobrevivência do espírito, mas igualmente da reencarnação, podendo-se acompanhar, inclusive, a correlação entre as marcas de nascença e os defeitos congênitos da existência atual com as vivências anteriores.

Hoje, já há centenas de trabalhos publicados em revistas científicas prestigiadas, como The Lancet, New England Journal of Medicine; British Medical Journal, JAMA etc. sobre o valor da prece na terapêutica (ver site: www.ncbi.nlm.nih.gov, do NIH). Do mesmo modo, experiências realizadas pelo psicólogo brasileiro, Júlio Peres, em parceria com o neurocientista, Andrew Newberg, da Universidade da Pensilvânia, EUA, evidenciaram áreas do cérebro em funcionamento, que são ativadas e rebaixadas, durante as sessões de Terapia por Regressão de Memória, realizadas com pacientes do Instituto Nacional de Terapia de Vivências Passadas (INTVP) do Brasil. Essas pesquisas, somadas às que o dr. Newberg realizou com pessoas em estado de vigília e meditação, mostram um campo promissor para o estudo do Espírito e sua atuação sobre a matéria.

No Japão, Massaru Emoto, após 8 anos de investigação, publicou o livro, Messages from the Water, mostrando como a água pode formar cristais perfeitos ou não, conforme a ação exercida sobre ela pelos pensamentos e sentimentos humanos. Tanto as experiências de Andrew Newberg e Júlio Peres, quanto as de Massaru Emoto trazem subsídios importantes para validar a Terapêutica Complementar Espiritual e entreabrem novos campos para a pesquisa em medicina energética.

Hoje, com o progresso vertiginoso da Ciência e, igualmente, o aumento maciço das doenças da alma, é imperioso que esses cursos de Medicina e Espiritualidade se multipliquem nas Escolas Médicas do mundo. A mudança de mentalidade, porém, não é nada fácil. Há três séculos, a ênfase tem sido para a visão de um ser humano esquizofrênico, dividido entre as investigações científicas e a busca religiosa, consideradas e alimentadas como irreconciliáveis. Esse paradigma antigo, materialista reducionista , está calcado no predomínio do egoísmo sobre o amor, do intelecto sobre o sentimento, e tem sido responsável pelo recrudescimento da violência, da ambição sem freios, dos vícios, da intolerância religiosa e das grandes desigualdades e calamidades sociais. Nele, o ser humano é reduzido tão-somente às funções neuroquímicas do cérebro, destituído de qualquer elemento imaterial que anime suas células. Com esse modelo, não haverá paz no mundo.

Contra ele, a favor da integração espírito-matéria, coloca-se o movimento em prol da Medicina e da Espiritualidade. Com a preponderância deste modelo, que tem na solidariedade uma de suas importantes vigas-mestras, acreditamos que os médicos estarão muito mais aptos a lidar com a dor humana, esforçando-se por diminuir os sofrimentos e angústias dos seus irmãos em humanidade.

Notas: (1) Expressão do historiador Arnold Toynbee, que designa grupos minoritários de pessoas, defensoras de mudanças evolutivas, em contraposição, à grande maioria, arraigada à mentalidade arcaica.
(2) Tese desenvolvida no seu livro O Universo Autoconsciente

Artigo publicado no site da Associação Médico-Espírita do Brasil